Por Fernanda Melchionna
Bibliotecária e vereadora do PSOL de Porto Alegre, mais votada da última legislatura 

A falta de bibliotecários nas escolas gaúchas, noticiada recentemente no Jornal do Comércio de Porto Alegre, é um sintoma da falta de prioridade e seriedade com que Sartori tem tratado um dos campos mais importantes de atuação do Estado: a educação.

A Lei Federal 12.244/10 estabelece que até 2020 todas as instituições de ensino públicas e privadas deverão contar com bibliotecas e bibliotecários. Há menos de dois anos para o fim do prazo, apenas 20 profissionais estão nas mais de 2,5 mil escolas estaduais gaúchas. Quem toma conta das estruturas atualmente são professores das próprias escolas, o que sobrecarrega ainda mais o corpo docente que já tem seus direitos diariamente atacados.

Featured image

As bibliotecas não podem ser vistas apenas como depósitos de professores sem condições de estar em sala de aula. Isso não é respeitoso com o docente e muito menos com os estudantes. É função do profissional de biblioteconomia desenvolver e curar um acervo que se conecte com as demandas da comunidade. É papel do profissional também providenciar subsídios para a formação do senso crítico dos alunos e iniciar os estudantes nas práticas de pesquisa que os farão obter conhecimentos de forma mais qualificada e independente.

O movimento de abandono das bibliotecas escolares acontece conectado a uma lógica neoliberal de desmonte do Estado. Não nos surpreende que cada vez mais conglomerados estrangeiros de ensino tomem conta do setor da educação básica. Depois de avançar agressivamente sobre o ensino superior, a iniciativa privada necessita de uma educação básica sucateada para aumentar seus negócios. A questão que fica é: a quem o Estado deve servir? Nós acreditamos que ele deva priorizar os interesses da população sempre.

Como bibliotecária de formação, não posso deixar de manifestar minha indignação com a prática mesquinha de governos como o de Sartori, no Estado, Marchezan, na prefeitura de Porto Alegre, e diversos outros políticos na nossa região. Ao mesmo tempo em que oferecem estruturas precárias aos estudantes, se empenham em desvalorizar os educadores. A cada vaga vazia de um bibliotecário na escola, milhares de crianças deixam de ter acesso ao futuro digno que é seu por direito.

Cadastre-se para receber informações do mandato e novidades sobre as nossas lutas!

Vem ser PSOL!

Nossa luta não começa nem termina nessas eleições. Depois do primeiro turno, em que comemoramos a derrota dos candidatos, apoiados por Bolsonaro e a votação expressiva e vitoriosa do PSOL, em diversas capitais, gostaríamos de te convidar pra ser parte do partido que mais cresce no país!

Quero me filiar