Enquanto Bolsonaro seguir presidente, nossa luta contra as trevas infelizmente terá de seguir. O ano de 2020 chega ao fim sem um plano consistente de imunização, enquanto a maior parte dos países do mundo já começam suas previsões. Mais do que incompetência da extrema-direita, trata-se de uma guerra ideológica contra a ciência e a vacina.

A primeira luta que precisamos travar será pela vida. Entretanto, a situação econômica e política deve se deteriorar ainda mais no ano que se aproxima. Se conseguirmos derrotar Bolsonaro e Paulo Guedes, conquistando o auxílio emergencial de R$600 no momento em que desemprego bateu recorde e a inflação dos alimentos corrói o nível de vida do nosso povo, a tendência é que a partir de janeiro este direito seja retirado. Por meio de uma Medida Provisória, Bolsonaro reduziu o benefício à metade e estipulou seu fim para o ano que vem.

Politicamente, embora a extrema-direita tenha perdido as eleições municipais de 2020 e as reservas democráticas do país tenham estancando momentaneamente a sanha golpista expressa nas passeatas fascistas que assistimos indignados em março e abril deste ano, ela segue com a caneta, com o gabinete do ódio e com uma estratégia de médio prazo de fechamento das liberdades democráticas por dentro do regime político. Mesmo sem forças para momentaneamente acabar com a auto-organização do povo, seria um erro não identificar esse risco e descartar as viabilidades de Bolsonaro em 2022. Ou seja, 2021 nos exigirá muito!

Devemos colocar a luta pela vacina no posto de mando e derrotar os negacionistas para salvar vidas, defender o meio ambiente frente às forças do atraso que estão desmatando nossas florestas, e fazer toda unidade de ação necessária para preservar as liberdades democráticas previstas na Constituição Federal, mantendo nossa independência política para que os trabalhadores não paguem a conta da crise econômica.

A saída para preservar direitos, gerar empregos e reduzir as desigualdades é cobrar o andar de cima. Devemos taxar as grandes fortunas e os lucros e dividendos, auditando a dívida pública, ao invés de atacar os servidores públicos, privatizar nossas estatais ou reduzir investimentos na saúde e na educação, como preconizam os neoliberais de plantão. Essa batalha depende também da capacidade de alterar a correlação de forças nas ruas, que é o lugar dos que lutam por uma nova política.

Cadastre-se para receber informações do mandato e novidades sobre as nossas lutas!

Vem ser PSOL!

Nossa luta não começa nem termina nessas eleições. Depois do primeiro turno, em que comemoramos a derrota dos candidatos, apoiados por Bolsonaro e a votação expressiva e vitoriosa do PSOL, em diversas capitais, gostaríamos de te convidar pra ser parte do partido que mais cresce no país!

Quero me filiar