Na tarde da quinta-feira (04), a maioria dos deputados decidiu votar a favor do fim da aposentadoria do povo brasileiro na comissão especial da Câmara dos Deputados. 36 parlamentares foram favoráveis ao texto base do relatório do projeto da reforma nefasta da previdência que vai prejudicar a classe média e os mais pobres, que terão que trabalhar quase até morrer para ganhar cada vez menos na aposentadoria. 

“O conteúdo do relatório aprovado é perverso e decreta o desmonte da aposentadoria da classe trabalhadora. Nós assistimos a um acordo do governo da extrema-direita com o centrão para massacrar os trabalhadores mais pobres! Um acordo criminoso com a seguridade social e previdência”, alarmou a deputada Fernanda Melchionna, que acompanhou a votação. Na noite anterior, Fernanda já havia alertado a maneira açodada com que a base do governo estava querendo votar o relatório. 

Reunião da comissão especial que discute o relatório da reforma da previdência! #EssaReformaTeEngana

Posted by Fernanda Melchionna on Thursday, July 4, 2019

Deputados de 17 partidos (PSL, MDB, DEM, PL, PP, PRB, PSD, PSDB, NOVO, PSC, PTB, AVANTE, PROS, PODEMOS, Cidadania e Patriota) votaram a favor da reforma na comissão especial. Veja abaixo:

Entre as regras aprovadas na comissão especial a economia de 80% que a Reforma pretende fazer seguirá sendo em cima da classe trabalhadora que ganha até R$ 1.300 reais. Além disso, a nova forma de cálculo do benefício levará em conta todos os salários recebidos pelo trabalhadores, o que reduzirá o valor da aposentadoria. Para levar na integralidade, os trabalhadores terão que contribuir para o INSS durante 40 anos. As maldades e absurdos seguem:

  • Idade mínima para o setor privado de 65 (homens) e 62 (mulheres);
  • Idade mínima para professores de 60 (homens) e 57 (mulheres);
  • Imposição de tempo mínimo de contribuição para o setor privado de 20 anos (homens) e 15 (mulheres). Para o setor público, 25 anos para homens e mulheres;
  • Imposição de idade mínima de 55 anos para policiais civis (antes não existia);
  • Redução no valor da aposentadoria caso o trabalhador não contribua por 40 anos; 
  • Mudança na base de cálculo para reduzir o valor das aposentadorias;
  • Regras de transição cruéis para quem está perto de se aposentar;
  • Manutenção da isenção tributária sobre produção agrícola exportada, privilegiando os ruralistas e fazendo com que o Brasil assim deixe de arrecadar 80 bilhões nos próximos dez anos

Traição do governo aos trabalhadores da segurança pública

Fernanda também denunciou a traição da base do governo contra os trabalhadores da segurança pública (policiais federais, civis e rodoviários federais). “Tem deputado que disse defender a segurança pública e votou contra esses trabalhadores. Bolsonaro traiu essas categorias, mas é na traição que a gente aprende quem são nossos verdadeiros aliados e, quando se trata da manutenção de direitos, temos que confiar na força da mobilização da classe trabalhadora”, disse Fernanda.

Bolsonaro traiu os trabalhadores da segurança pública!

Muitos oportunistas pediram voto dos policias civis, rodoviários federais, policiais federais nos seus estados e hoje trairam os trabalhadores da segurança pública, votando contra o seu direito à aposentadoria. Mas é na traição que a gente aprende quem são nossos verdadeiros aliados!

Posted by Fernanda Melchionna on Thursday, July 4, 2019

Por ser uma PEC, o projeto agora segue para o Plenário da Câmara dos Deputados e precisa ser aprovado por 308 votos em dois turnos.

Cadastre-se para receber informações do mandato e novidades sobre as nossas lutas!