FERNANDA MELCHIONNA

Com 34 anos de idade, Fernanda Melchionna está vereadora de Porto Alegre e é pré-candidata a Deputada Federal pelo PSOL. Foi a vereadora mais votada entre todos os candidatos na última eleição da cidade, sendo eleita com 14.630 votos. Está no seu terceiro mandato na Câmara de Vereadores e é uma das mais jovens parlamentares da cidade. Sempre lutou contra os privilégios dos ricos e dos políticos, em defesa dos direitos da população e dos trabalhadores e de moradia digna para todos. É feminista e uma verdadeira lutadora das causas sociais. 

Na tribuna na Câmara de Vereadores de Porto Alegre

Natural de Alegrete (RS), a trajetória de Fernanda sempre foi de engajamento político e de defesa das minorias. Iniciou sua atividade política em 1997, ainda no Ensino Fundamental, quando participou de passeatas contra as privatizações promovidas pelo governo de Antonio Britto, no Estado, e Fernando Henrique Cardoso, no Brasil. Participou do movimento estudantil universitário ao passar no vestibular para o curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi coordenadora-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFRGS, onde se aproximou das lutas pela universidade pública popular, da luta pela democratização da Universidade e contra os ataques e tentativas de sucateamento da instituição de ensino. Desfiliou-se do PT em 2003, desencantada com os rumos do partido dada sua aproximação com setores do empresariado e a expulsão da Heloísa Helena, Luciana Genro, Babá e João Fontes. Desde então, passou a construir o PSOL.

Coletiva de imprensa durante os protestos Fora Yeda

Fernanda Melchionna é bibliotecária de formação e bancária do Banrisul. Elegeu-se vereadora pela primeira vez, em 2008, com 2.984 votos; em 2012 recebeu 7.214 votos, a mais votada entre as mulheres eleitas. Em 2016 foi eleita a vereadora mais votada da cidade. “Fizemos uma bela campanha, uma campanha militante, uma campanha orgânica, que enfrentou as máquinas eleitorais, enfrentou as campanhas tradicionais dos partidos do regime. Uma campanha corpo a corpo, uma campanha nos bairros e que, ao mesmo tempo, teve reconhecimento do povo das lutas que nós travamos, contra o aumento abusivo das tarifas, a luta contra o privilégio dos políticos, a favor da moradia digna, dos camelôs, dos municipários, da juventude, por mais liberdades democráticas para mulheres, LGBTs, negros e pelos direitos humanos. Acredito que esse resultado seja também da concepção do nosso mandato como uma trincheira de resistência, de esperança das lutas sociais, das demandas populares”.

Campanha Eleitoral de 2016

     Fernanda já foi presidente da Comissão de Direitos Humanos, em 2013, desenvolvendo um importante trabalho que virou livro “Mapa dos Direitos Humanos, do Direito à Cidade e da Segurança Pública de Porto Alegre 2015”. Em 2011, ao lado de Pedro Ruas (vereador à época e com quem formou a primeira bancada do PSOL na Câmara de Vereadores), entrou  na Justiça contra o aumento da tarifa de ônibus na cidade de Porto Alegre, conseguindo, junto a uma grande mobilização de estudantes, barrar a passagem. Desde então, através do seu mandato, já entrou três vezes na Justiça contra o reajuste da tarifa, reforçando o compromisso com a luta em defesa de um transporte público justo e de qualidade e denunciando as irregularidades, reivindicando transparência e efetiva fiscalização. É autora, ao lado de Pedro Ruas, do projeto que demarcou 14 ocupações urbanas como Áreas Especiais de Interesse Social (AEIS), cujos terrenos só poderiam ser destinados para a habitação popular – projeto construído coletivamente com o Conselho Regional da Moradia Popular,  o IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil) e movimentos sociais.

Vitória da ação judicial contra o aumento da passagem em 2013

No ano de 2017 foi líder da Oposição na Câmara de Vereadores, ao lado dos vereadores Roberto Robaina e Prof. Alex Fraga, enfrentando arduamente a política neoliberal e privatista do Prefeito Marchezan e a política de desmonte das áreas sociais da cidade de Porto Alegre e de ataque aos servidores municipais. Presidiu a Frente Parlamentar em Defesa dos Servidores Públicos e construiu ativamente a Frente Parlamentar de Incentivo ao Livro e à Leitura, sempre na luta para transformar em políticas de Estado as ações destinadas tornar a cidade mais leitora.

Livraço na Redenção em defesa do programa Adote um Escritor